word-image
Hugo da Wishtech

Hugo da Wishtech

Co-fundador, viciado em Marketing e Tecnologia.

Futuro do Varejo: Como a Tecnologia está revolucionando o Varejo Digital

Compartilhe

Ao longo desse artigo você vai saber porque esse morango está nessa foto. O chocolate não tem sentido, mas é bonito e gostoso.

 

Olhar 10 anos no passado dá uma boa noção das mudanças que ocorreram no varejo. Consegue imaginar como seriam 10 anos no futuro? Basta me acompanhar!

Não que eu seja vidente e tenha todas as respostas, mas acredito que você tenha as melhores respostas para você. Afinal, quem sou eu para dizer o que é verdade ou não? Estou aqui apenas para conversar com você e você tomará todas as decisões e percepções que seu próprio histórico e mente tem. De início, quero dizer que é muito magnífica essa revolução que temos visto nos últimos anos.

 

O Varejo Digital da Blockbuster e da Netflix

Apesar de parecer muito, este não é o Netflix.

 

Uma boa analogia que podemos ter ao analisar o cenário de mudança do varejo digital é com a Blockbuster. Se você não conhece a ex-gigante locadora de filmes (old school, fita cassete e tudo!), talvez lembre da análoga no Brasil, a locadora Yellow. Agora, talvez, já passe um filme na sua cabeça da diferença entre as duas empresas do título. Netflix entrega filmes, Blockbuster entrega filmes, logo, a comparação é que devemos nos adaptar, correto?

Errado! A comparação é que a Blockbuster tem seu logo amarelo e azul enquanto a Netflix tem seu logo vermelho e branco! (Isso foi uma piada, só pra avisar!)

Se você me perdoar pela piada acima, tenho certeza que sua leitura será bastante prazerosa ao longo do caminho. Na verdade, sim, a comparação é na entrega de filmes, mas o que realmente tem isso de especial? O modelo Netflix foi simples no início. Entregava filmes por aluguel por uma simples taxa mensal enquanto a Blockbuster entregava filmes por quantidade na mão do cliente.

A Netflix, simplesmente, encontrou duas palavras fora da Blockbuster

  • Escalabilidade.
  • Inovação.

Vou falar contigo apenas sobre a escalabilidade, afinal, todos sabemos e até culpamos (Shame on us!) a Blockbuster e a Kodak por não se adaptarem. Em relação à escalabilidade, a Netflix pulou para o meio/ varejo digital, fazendo as devidas adaptações de entrega de conteúdo e vencendo barreiras de entrega dos mais diversos tipos. Depois de bastante tempo testando e refinando, a Netflix encontrou um modelo de distribuição diferenciado.

Do dia pra noite – depois de anos – a Netflix estava em todo lugar ao mesmo tempo.

Há 20 anos atrás, a entrega de vídeos sob demanda era simplesmente impraticável até mesmo em universidades com velocidades de conexão altíssima. Durante 10 anos, Netflix andou ao lado da Blockbuster para, logo quando foi possível, investir em quebrar suas barreiras no varejo digital. A Blockbuster simplesmente continuou pensando em dar ao usuário o que ela mesma queria dar.

A Netflix focou em dar ao usuário o que ele pedia, o que se tornava tendência.

 

O Significado da Palavra Logística no Presente

Consegue ver a logística nesta foto?

Gary Vaynerchuk é um dos grandes nomes mundiais de marketing digital e branding. Uma das fórmulas para encontrar tendências, segundo ele, é ouvir os mais jovens. Ele diz que nós seremos substituídos e precisamos aceitar isso. Quando aceitamos, acabamos por não ser substituídos. Não faz muito sentido, né? Mas deixa te explicar como que a logística começa a ser alterada de acordo com as tendências atuais lá dos Estados Unidos!

“Hey, Alexa, me compre uma calça jeans”

Essa frase foi um dos diversos testes que o Gary vem fazendo com a Alexa, a assistente virtual da Amazon. As projeções do Gary sobre o varejo digital são de que, cada vez mais, tenhamos menos atendimento e mais praticidade. Menos filas (e Blockbusters!) e mais entregas feitas diretamente (conhece um tal de iFood?). Se você tem filhos ou convive com pessoas nessa faixa, vai perceber e concordar comigo sobre a inutilização de ligações de celular. Alguém já rejeitou uma ligação sua para responder lá no Whatsapp? Quem sabe até você já tenha feito isso!

“Oi”, disse alguém no Zap logo depois de rejeitar sua ligação.

Essa questão – dos mais jovens – dita um pouco a tendência demonstrada pela infinita distribuição do iFood, similar ao Netflix. Estar em todos os lugares ao mesmo tempo é poder estar acessível e presente para seu público quando ele mais precisar. Basta pensar na facilidade apresentada pelo iFood. Num varejo digital, não é mais necessário ficar pensando (e ficar nervoso) enquanto a atendente repete as opções do cardápio e pergunta se o dinheiro está trocado.

Hoje eu recebi um cupom de frete grátis do iFood. Até pedi um açaí sem querer.

“Sem querer”. Sem querer significa o encontro da necessidade com a oportunidade. O cupom, na verdade, me economizou R$5,00 em um negócio local, me custando apenas R$40 no pedido para a família toda. Tudo feito em 30 segundos. A especificidade deste varejo digital de entrega e a possibilidade de estar presente e saber minhas preferências faz com que o cupom (e a notificação) sejam entregues apenas no momento que eu gostaria que fossem.

Não sei quanto tempo tem sua empresa, mas te pergunto como era o fluxo de controle de pedidos alguns poucos anos atrás.

Se pensarmos em um restaurante, por exemplo, podemos ver questões como pedidos sendo feitos diretamente na mão do garçom, assim como a conta podendo ser entregue e paga logo ali com uma maquininha. Não é praticidade, é apenas logística. Se você chegou até aqui e não tem uma definição clara da palavra, deixa te falar:

Logística é a “Administração e organização dos pormenores de qualquer operação”

Quando você vai no mercado, dia sim e dia não, comprar frutas e verduras (porque você é uma pessoa saudável!), você está administrando e organizando sua casa. Porém, como seria poder fazer isso com alguns cliques? Empresas assim estão engatinhando ainda em nosso país no varejo digital. Mas quanto tempo você acredita que levará para termos nossas compras do mês entregues diretamente em casa com uma lista inteligente atualizada por você em um varejo digital?

 

O Velejar de Oceanos Azuis do Varejo Digital

Oportunidades estão abertas para quem segue a jornada certa.

 

É até inspirador falar (escrever?) sobre essas tendências. Lembra que te falei lá no começo do artigo que você quem deveria decidir por si só quais são suas respostas? Pois bem, pensa aí por cinco segundos e meio (nada menos, nada mais) se isso que tenho falado faz mesmo sentido ou é apenas balela. Se acreditar que essas tendências são mais que certeiras, são certêndias (certezas de tendências. haha), então tenho algo para te falar da mega oportunidade que é velejar nessa era que estamos vivendo para a sua plataforma E-Commerce!

Sua plataforma E-Commerce Tem a Oportunidade de Velejar num Oceano Azul!

O conceito de Oceano Azul, do livro A Estratégia do Oceano Azul, escrito por W. Chan Kim e‎ Renée Mauborgne é simples de explicar. Já viu aquelas fotos magníficas no Instagram de lugares pouco visitados pelo homem? Aquele rio tão cristalino que parece até de mentira! Aquilo é exatamente um oceano (rio!) azul! Os rios ou lagoas que tem muito acesso e movimentação acabam com partículas diversas alterando sua coloração. Quanto mais se mexe na areia, menos cristalino fica o rio.

Logo, um Oceano Azul é um lugar pouco explorado e sem concorrência.

Vou te contar uma situação de Oceano Azul da minha infância para ilustrar o espírito empreendedor. Como muitas crianças, eu não gostava muito de tomar banho e tinha uns dez primos que visitavam a casa da avó. Minha avó e algumas tias faziam pratos incríveis que nós ficávamos loucos para comer. Certo dia, notei um certo padrão. Minha avó só deixava a gente comer os salgadinhos (ou bolo ou a janta!) depois de estarmos “parecendo um hominho”, ou seja, limpos e cheirosos. Comecei então a parar de brincar mais cedo, tomar meu banho e ficar sentado aguardando a oportunidade única.

Meus concorrentes simplesmente não existiam. Havia uma barreira entre nós!

Tudo bem que minha avó fazia uma quantidade para estufar todo mundo, mas se supormos que havia uma concorrência (como é o caso do mercado), você vai entender minha vantagem. No momento que aquelas delícias eram servidas, estava eu sorrindo e indo em direção à mesa. Nesse momento, meus primos ficavam impossibilitados e proibidos (imagine isso como um embargo legal!). Nossa avó apenas outorgava (não com essa palavra, claro!) o direito dos lanchinhos àqueles que tinham tomado banho.

Isso é um Oceano Azul: quando não há concorrência de salgadinhos.

Na sua plataforma E-Commerce, há um Oceano Azul similar à mesa de salgadinhos. A automatização, machine learning e a própria migração de modelo de negócios para um mix físico e virtual. Acontece que, neste momento, nós temos a oportunidade de tomar banho e aproveitar a mesa de salgadinhos antes dos outros. Mas, assim como acontecia na casa de minha avó, meus primos iam tomando banho e vindo para a mesa de salgados. Com o tempo, todos aprenderam a estar “bonitinhos e cheirosos” antes da mesa ser servida.

Quando o Oceano é muito visitado, ele se torna vermelho sangue.

Neste momento, o retorno sobre investimento de adentrar no Oceano Azul é imenso para sua plataforma E-Commerce. Porém, conforme mais pessoas colocam sua Plataforma E-Commerce para tomar banho e ficar limpinhas e esperando a liberação da mesa de comida, menos retorno sobre o investimento acontece. Ou seja, quanto mais o tempo passa, mais será provável quebrar a expectativa do retorno.

O que você acha que acontece quando quebramos a expectativa de alguém?

Por qual motivo você acredita que culpamos a Kodak e a Blockbuster por não terem tido sucesso? Eu, pessoalmente, amava o exemplo da Kodak e até da Yellow locadora. Gostaria muito que elas tivessem aproveitado o Oceano Azul que se formava ao redor delas no varejo digital. A quebra da minha (e talvez da sua) expectativa, simplesmente me decepcionou. O que eu esperava era ter uma espécie de plataforma E-Commerce forte e bem posicionada, mas o que tenho hoje é apenas a concorrência.

Amo a Netflix e tenho uma Canon, mas guardo um espaço pra Kodak!

Sei que para elas é tarde, mas a maior reflexão que quero te trazer neste artigo é apenas pensar sobre o mar de oportunidades que estão ao teu redor. Duvido muito que sua plataforma E-Commerce vá ter o mesmo destino, afinal, você já está a pelo menos cinco minutos lendo esse artigo com tendências e oportunidades para elucidar e clarear ainda mais sua mente empreendedora para o varejo digital. Faço esse artigo com muito carinho, principalmente porque a mesma jornada que você pode estar fazendo hoje já foi minha também.

No meio da jornada, somente quem caminha sabe para onde ir.

 

Resumo e Prova por Absurdo

Se você é de exatas, sabe o que significa Prova por Absurdo. Se não, saiba que é algo absurdo (dã!). Para mostrar que algo é verdadeiro, são apresentados casos extremos, totalmente quase mais ou menos não exatamente possíveis. Porém, eles provam os argumentos. Percebeu que não falei de modelos padrão de varejo digital aqui? É bem possível que você mal tenha pensado na sua própria plataforma E-Commerce enquanto lia.

Mas, se você está lendo isto aqui, significa que quer ter melhores resultados na sua plataforma E-Commerce. E, para isso, vou te deixar com uma reflexão prática e um convite.

Pega um papel (ou celular), escreva o nome das seguintes empresas/cenários:

  • Netflix
  • iFood
  • Kodak
  • Whatsapp
  • Blockbuster
  • Uma à Sua Escolha.

Ao lado de cada uma, simplesmente anote uma característica ou duas de cada que se assemelha à sua plataforma E-Commerce. Sim, eu sei que pode ser difícil, mas esse é o intuito! Se fosse fácil, não traria resultado. Essa é a reflexão.

E o convite é bem simples. Se tiver sentido para ti que nosso produto pode te ajudar a seguir as tendências do varejo digital e pegar sua doce fruta na árvore do mercado, fique à vontade que será um imenso prazer para nós te ajudar em sua jornada.

Compartilhe

Gostou? Compartilhe:

1
×
Olá! 🙋
Precisa de ajuda com E-commerce?
Fale com a gente no Whatsapp! 🚀